Voltar  |  Home  |  Email
 
   
 

Construção da Estrada de ferro Mairinque - Santos


Casa geminada da Vila de Funcionários


Fachada casa da Vila de Funcionários


Vista Estação de trem sentido Canguera


Placa ao lado da Estação


Detalhe da Estação de trem sentido Canguera


Trilhos adentrando a Reserva sentido Aldeinha


Casa de pernoite dos funcionários da antiga FEPASA


Vista Estação


Trem de carga FERROBAN


Entrada da Estação

Essa estrada de ferro foi construída como um ramal que liga a cidade de Mairinque a Santos pela antiga estrada de ferro Sorocabana.
O estudo já era de anos anteriores, mas só foi iniciada a construção em fins do ano de 1927 pelo então governador de São Paulo Júlio Prestes de Albuquerque, natural da cidade de Itapetininga - São Paulo.
O leito de construção no planalto, que era composto de P.1 até P.19 que significa planalto 1 até planalto 19, ou seja, de Mairinque até a Estação de Evangelista de Souza (que era P.19), Caucaia do Alto estava entre P.6 e P.7. O ramal até Caucaia foi inaugurado em primeiro de maio de 1931. O trecho até a Aldeinha foi inaugurado em 1932, até o Embu em 1934, Engo. Marsilac e Evangelista em 1935.
O trecho entre Mairinque e Rio dos Campos que era Serra 22 que terminou o leito da linha em 1932. Como o leito do P.1 até P.19 ficou pronto em 1930, começaram então a colocação dos trilhos até S.22 no ano de 1934 e até o começo do ano de 1938, quando terminaram os dois últimos viadutos na Serra e no mesmo ano de 1938 foi inaugurada a linha de Mairinque a Santos, quando passaram a circular todos os trens de carga que antes utilizavam somente a antiga São Paulo Railway, Companhia Inglesa.
Nessa época, corriam em média 45 trens em 24 horas. Trens de carga com as locomotivas a vapor, a famosa Maria Fumaça consumiam de Mairinque a Santos em média 60 mts de lenha entre ida e volta, rebocando uma composição mais ou menos de 8 a 10 vagões carregados, pesando em média 300 toneladas e fazendo o percurso em média de 8 a 9 horas.
Hoje em dia uma locomotiva reboca uma composição correspondente a 10 trens daquela época.
Essa estrada de ferro foi construída somente com mão-de-obra, ou seja, não existiam maquinários na época e o Brasil não tinha mão-de-obra especializada para essa construção. Vieram imigrantes portugueses para colocação dos trilhos, e espanhóis para serviços de pedra na construção dos bueiros e aterros.
Nesses anos de construção, em todos os trechos entre Caucaia e a Serra do Mar chovia constantemente, o que causaria grande transtorno para o andamento das obras.
Hoje, a estação de trem de passageiros de Caucaia do Alto encontra-se desativada. Somente cargas transitam pelos trilhos privatizados pela Ferroban. O conjunto ferroviário da estação de Caucaia ainda possui casas de ex-funcionários da antiga Fepasa, hoje ocupadas por alguns descendentes dos ferrroviários e outros que locaram, além de uma casa em ruínas que funcionava como pernoite para funcionários da Fepasa em trânsito.


 
   

Idealizado por:
CRISTINA OKA & AFONSO ROPERTO
Última atualização: 13 February, 2002